Polícia Federal indicia Renan por suspeita de receber R$ 1 milhão em propina da Odebrecht

single-image

A Polícia Federal indiciou o senador Renan Calheiros, do MDB de Alagoas, por suspeita de ter recebido R$ 1 milhão em propina da Odebrecht. Renan é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Os fatos teriam ocorrido em 2012.

Segundo a Polícia Federal, a vantagem indevida envolve a aprovação de uma resolução no Senado que tratou de benefícios concedidos pelos estados a produtos importados, a chamada Guerra dos Portos. A partir dos dados da PF, a Procuradoria-Geral da República vai decidir se denuncia o senador ao Supremo Tribunal Federal.

Em nota, o senador Renan Calheiros disse que essa investigação está aberta desde março de 2017, sem que tenham encontrado provas.

A Odebrecht informou, em nota, que colaborou com a Justiça a partir de 2016; que, desde então, fez acordos no Brasil com o Ministério Público Federal, com a Advocacia-Geral da União, a Controladoria-Geral da União e o Cade; e que, no exterior, também fechou acordos com o departamento de Justiça dos Estados Unidos, o Banco Mundial e outras instituições.