Tiririca manteve gastos com viagens após abertura de inquérito

single-image

O Ministério Público Federal (MPF) investiga, desde 2019, o deputado federal Francisco Everardo Tiririca Oliveira Silva (PL-SP), o Tiririca, pelo uso da cota parlamentar para pagar passagens de avião para Fortaleza, no Ceará. Embora tenha sido eleito pelo estado de São Paulo, onde declara ter domicílio eleitoral, a prestação de contas dele contabiliza a emissão de 133 bilhetes aéreos entre 2019 e 2021, totalizando cerca de R$ 130 mil, com origem ou destino ao Ceará.

O uso da cota parlamentar para a compra de passagens aéreas é permitido desde que a viagem tenha relação com as atividades do mandato. O inquérito civil investiga se o dinheiro foi gasto com as passagens para as viagens até Fortaleza com finalidade particular. A apuração começou em 2019 após representação protocolada pelo instituto OPS para denunciar mau uso de verbas públicas.

Tiririca tem uma mansão na cidade, um sítio nas proximidades da capital cearense, faz shows e tem parentes na região.

O sistema de prestação de contas da Câmara registrou desde 2019, quando o deputado iniciou o terceiro mandato, a emissão de 129 bilhetes aéreos. Do total, 127 foram para o trecho Brasília – Fortaleza ou Fortaleza – Brasília. Depois da abertura da investigação, em outubro de 2019, foram emitidas mais 26 passagens até fevereiro deste ano.

Para São Paulo, domicílio declarado pelo parlamentar à Justiça Eleitoral, foram duas viagens. Em 7 de junho de 2019, uma sexta-feira, há o registro da emissão de um bilhete em nome do deputado do Aeroporto de Fortaleza para Guarulhos. A volta ocorreu na segunda-feira, dia 10, em um voo de Congonhas para Brasília.

A emissão do bilhete apresentada na prestação de contas pode não necessariamente coincidir com a data do voo, pois cartões de embarque não são apresentados nas informações disponibilizadas pela Câmara dos Deputados.

Há situações registradas, no entanto, que chamam a atenção, como a emissão de 11 bilhetes no mesmo dia, nos quais o parlamentar consta como passageiro. De acordo com a prestação de contas, os bilhetes foram emitidos em 28 de junho de 2019, uma sexta-feira.

Cinco bilhetes com origem em Brasília e destino a Fortaleza foram emitidos pela Gol, cada um com número de localizador, que é o código usado para emitir o bilhete de embarque no aeroporto e representa um assento.

No mesmo dia, foram emitidas outras seis passagens pela TAM com o trecho de retorno Fortaleza – Brasília com os números de bilhetes diferentes. Em todas elas consta o parlamentar como passageiro.

Em novembro de 2019, a procuradora da República Melina Castro Montoya Flores converteu a notícia do fato em inquérito civil. A investigação está em andamento no Ministério Público Federal de Brasília.