Presidente do PT/PB admite reciprocidade com MDB e já fala até em chapa com Veneziano governador e RC senador

single-image

O presidente estadual do PT da Paraíba, Jackson Macêdo, esqueceu as críticas que fazia ao MDB à época do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), e agora já admite uma reaproximação com a agremiação, seja em âmbito nacional seja em âmbito estadual. Em entrevista, o dirigente admitiu reciprocidade com a agremiação ao sustentar que, neste momento, o projeto maior é o de eleger Lula presidente outra vez.

Já no cenário local, no tocante a disputa pelo Governo da Paraíba, ele também não descarta a possibilidade de a legenda apoiar o nome do senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB) na corrida pelo Governo da Paraíba caso o parlamentar se decida por uma candidatura própria, contanto que, na chapa, também se priorize o nome do ex-governador Ricardo Coutinho (PT) como candidato ao Senado.

“Sim, sem nenhum problema (O PT pode apoiar Veneziano). Se for uma discussão de caráter regional que passa pelo MDB no NE, do apoio a Lula, com certeza a gente vai abrir uma discussão em torno da candidatura de Veneziano, mas pra isso a gente precisa ter uma discussão, porque ele não se definiu, mas caso ele se defina logicamente que o PT, Lula, e a Nacional vão levar em consideração. A gente tem uma avaliação de conjuntura convergente e se colocar o nome à disposição o PT levará em consideração (…)Se ele se colocar à disposição é um nome que o PT vai avaliar, é um nome forte, uma candidatura importante, e o PT vai ter condição de discutir com ele, agora levando em consideração que nós temos a candidatura do ex-governador Ricardo como Senador. Vamos estar num projeto político quer seja de outro partido, mas que possa eleger o primeiro senador de esquerda progressistas de sua história. Temos que ter o entendimento que temos que eleger Ricardo senador”, pontuou.

A expectativa é que até o dia 31 de janeiro o senador Veneziano bata o martelo sobre disputar ou não o Governo da Paraíba. Segundo o parlamentar, a decisão partirá da maioria do MDB.