Suécia anuncia que decidiu formalmente pedir a adesão à Otan

single-image

A primeira-ministra da Suécia anunciou nesta segunda-feira (16.mai) que, a exemplo do país vizinho, a Finlândia, irá solicitar formalmente a adesão à Otan. “O governo decidiu informar à Otan que a Suécia deseja se tornar membro da aliança”, disse a primeira-ministra Magdalena Andersson.

O anúncio veio depois que um debate em Riksdagen, parlamento sueco, na 2ª mostrou que há um grande apoio para a adesão. Dos oito partidos do país, apenas dois partidos menores de esquerda se opuseram.

A mudança na Suécia ocorreu depois que a Finlândia anunciou no domingo (15.mai) que também buscaria se juntar à aliança de 30 países. A opinião pública em ambos os países era firmemente contra a adesão à Otan antes da invasão russa da Ucrânia em 24 de fevereiro, mas o apoio aumentou rapidamente depois disso.

Reprovação

O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, disse nesta segunda-feira (16.mai) que as delegações sueca e finlandesa não devem se incomodar em convencê-lo a aprovar sua oferta à Otan.

Em uma entrevista, Erdogan disse que a Turquia não aprovaria as propostas para ingressar na Otan e chamou a Suécia de “incubadora” para organizações terroristas e acrescentou dizendo que eles têm terroristas no parlamento.

A Turquia afirmou também que a Suécia e a Finlândia abrigam pessoas que dizem estar ligadas a grupos que considera terroristas, como o grupo militante do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e seguidores de Fethullah Gulen, a quem o governo turco acusa de orquestrar a tentativa de golpe de 2016.